Vila do Conde: Sobrevivente do acidente de Valença recuperou do coma
“Vou ver as campas dos meus colegas”

"Não me lembro de nada. Nem do dia do acidente, nem da véspera. O que sei da tragédia foi a minha mulher que me contou. Agora quero recuperar e estar com os meus filhos. No primeiro dia que estiver fora do hospital irei visitar as família e ver as campas dos meus colegas mortos." As palavras são de José Marques, de 52 anos, um dos sobreviventes do trágico acidente que matou na EN13, em Valença, cinco pescadores das Caxinas, Vila do Conde, no dia 5 de Outubro.

Ainda a recuperar no Hospital da Póvoa de Varzim, depois de 11 dias em coma seguidos de várias cirurgias nos hospitais de Braga e de Matosinhos, José Marques apenas quer regressar a casa. "Estou com saudades de estar com os meus filhos em minha casa. Todos eles já estiveram cá, e também estiveram alguns colegas da pesca e o mestre do barco. Mas quero regressar às Caxinas", disse ao CM.

A mulher do mestre, Natália Correia, de 47 anos, que também sofreu ferimentos graves, continua internada nos Cuidados Intensivos do Hospital de Matosinhos, mas não corre risco de vida. Cláudio Cruz, de 56 anos, teve alta cerca de uma semana depois do acidente. O mestre, Domingos Moreira, saiu quase ileso do sinistro.

"Todas as famílias vieram visitar o meu marido, e eu também fui visitar os outros. Nas Caxinas somos muito solidários. Agora o meu marido está a recuperar aos poucos. Tem dificuldade em andar e não tem memória de muita coisa", disse Alexandrina Cruz, mulher de José Marques.

O acidente ocorreu a 5 de Outubro, quando a carrinha que transportava nove pessoas de regresso a Vila do Conde embateu num camião.

Morreram no trágico acidente na EN13 os pescadores Manuel Regufe, de 43 anos, José Manuel Santos, de 37 anos, Albertino Pinto, de 43 anos, José Moreira, de 35 anos, e Manuel Marafona da Silva, de 48 anos.

SEGURADORA PAGA A FAMÍLIAS DAS VÍTIMAS

As famílias das cinco vítimas mortais e dos quatro feridos vão receber o seguro de trabalho. No dia a seguir ao acidente, a seguradora comprometeu-se ao pagamento dos seguros em caso de acidentes pessoais. "Todos os pescadores, incluindo a esposa do armador, têm seguros para acidentes em mar e em terra que foram feitos pelo mestre," disse ao CM José Festas, presidente da Associação Pró Maior Segurança dos Homens do Mar.


Correio da Manhã