O primeiro-ministro, José Sócrates, afirmou hoje, terça-feira, esperar que o investimento no TGV "possa no próximo ano" criar oportunidades de emprego e crescimento ao país, após questionado sobre se a obra vai parar em consequência do acordo Governo/PSD.

"Nós fizemos um acordo com o PSD. Nós faremos uma avaliação de todas as parcerias publico privadas, essa avaliação incluirá com mais urgência as grandes, por forma a que não restem dúvidas, na análise custo-benefício, que essas obras são importantes para o país", afirmou o primeiro-ministro.

José Sócrates respondia a uma pergunta do líder do CDS-PP, no debate do Orçamento do Estado para 2011, que pediu que o primeiro-ministro esclarecesse se o TGV, nomeadamente o troço Poceirão-Caia, já adjudicado, "vai parar ou continuar" em resultado do acordo Governo/PSD.

"Se pára, e o senhor está disposto a emendar a mão, tem que explicar à câmara o volume das indemnizações que vai pagar, se não pára, então o que está escrito no acordo é um embuste", afirmou Paulo Portas.

O primeiro-ministro disse que o acordo Governo/PSD implica uma reanálise das parcerias publico privadas, que será "baseada numa análise custo/benefício" e disse esperar que a obra "possa no próximo ano oferecer emprego, oportunidades e dar um estímulo ao crescimento".

JN