Estava internado em Coimbra
Morreu tailandês por ter ingerido cogumelos venenosos

O cidadão tailandês que se encontrava internado nos Hospitais da Universidade de Coimbra por ter ingerido cogumelos venenosos morreu no domingo, revelou esta segunda-feira fonte do estabelecimento de saúde.

De acordo com a mesma fonte dos HUC, o doente, que estava internado em estado crítico na Unidade de Cuidados Intensivos de Gastrenterologia, morreu na madrugada de domingo.

Cinco tailandeses foram internados na quinta-feira no hospital de São Bernardo, em Setúbal, por terem ingerido cogumelos venenosos e depois transferidos para hospitais de Lisboa, Porto e Coimbra.

Fonte do hospital de Santo António, no Porto, onde está internado um doente na Unidade de Cuidados Intermédios, disse à agência Lusa que este homem "está em melhoria e foi suspendido o apelo para arranjar um fígado para transplante".

Também o homem internado no hospital de Santa Maria, em Lisboa, registou "melhoras muito substanciais", disse fonte hospitalar, sublinhando que para já "não vai ser transplantado".

Os dois doentes internados na quinta-feira na Unidade de Cuidados Intensivos do Hospital dos Capuchos, em Lisboa, acabaram por ser transferidos na sexta-feira para o hospital Curry Cabral, onde aguardavam sábado transplante em "estado grave", segundo fonte hospitalar.

A Lusa tentou esta segunda-feira actualizar a informação sobre o estado de saúde destes dois doentes junto do Curry Cabral, mas até agora não obteve resposta.

Em Bragança, quatro pessoas da mesma família foram internadas na sexta-feira no hospital local com um quadro de gastroenterite devido ao consumo de cogumelos venenosos, disse à Lusa a enfermeira chefe do centro hospital do Nordeste (CHNE).

Trata-se de uma mãe, filha, neta e genro, sendo que a criança, de cinco anos, foi transferida de helicóptero, no domingo à tarde, para o hospital pediátrico de Coimbra, onde está esta segunda-feira de manhã a receber um transplante de fígado, de acordo com a mesma fonte.

Os três adultos estão a responder bem aos tratamentos, adiantou a fonte.


Correio da Manhã