Passeavam no bosque quando idoso caiu num buracocom oito metros. Neto andou sozinho até encontrar ajuda




Um menino, de dois anos, salvou o ontem o avô, de 63, que caiu numa mina com oito metros quando passeavam numa zona florestal. A inacreditável história aconteceu em Braga. O acidente poderia ter sido fatal se a criança não tivesse partido em busca de auxílio.

Avô e neto resolveram dar um passeio pelas redondezas do lugar da Ponte Nova, na freguesia de Lomar, Braga. Em pleno bosque, José Rocha, 63 anos, acabou por ser surpreendido pelo aluimento do solo, acabando por cair numa mina com oito metros de altura.

O pequeno José Barbosa, que só em Fevereiro faz três ano, conseguiu evitar a queda na mina e vendo o estado do avô partir de imediato em busca de ajuda. Estava a um quilómetro e meio de distância da casa do avô.

Sem temer a frieza da floresta, galgou um muro e rumou em direcção à Estrada Nacional 309 (EN309), próxima do local do acidente. Após ter andado meio quilómetro a pé sozinho pela estrada nacional, "Zezinho", como é conhecido, conseguiu despertar atenção de uma automobilista que no momento passava na Rua do Souto Noval, que serve de acesso à EN 309.

"O meu avô está num buraco", gritou de forma repetida. A mulher, cujo identidade não foi possível apurar, seguiu as indicações da criança, que a conduziu aos vizinhos e familiares de José Rocha, que ficou sem reacção após a queda de oito metros na estreita mina.

"Ele só dizia que o avô estava num buraco e apontava para o monte", disse, ao Jornal de Notícias, Conceição Simões, avó da criança e esposa de José Rocha.

Seguindo as indicações do menino, a população da Ponte Nova partiu em busca da mina. "Ele não sabia dizer o sítio ao certo e demorámos cerca de uma hora até encontrar José Rocha", relatou José Barbosa, pai do pequeno herói, "um anjo da guarda", como ontem foi várias vezes apelidado.

Após baterem o terreno, foi José Barbosa (pai) quem encontrou a mina. "Ele estava lá em baixo, cheio de dores mas consciente", afirmou José Barbosa, que accionou os meios de socorro.

Ferimentos ligeiros

"O INEM e a Polícia foram os primeiros a chegar e isolaram o local preparando o resgate do meu marido", referiu Conceição Simões, que lamentou o atraso do Bombeiro Sapadores de Braga. "Demoraram uma hora para chegar aqui", disse.

A verdade é que o resgate foi executado de uma forma rápida, segura e eficaz. Mesmo assim os Sapadores de Braga lamentam o facto de não terem o material adequado para este tipo de socorro. "Não há uma Garibalde (estrutura com capacidade para acolher uma pessoa de forma a ser içada) na corporação, por isso tivemos que improvisar com umas escadas de modo a fazer um ponto de segurança para descer uma corda e içar o senhor", explicou fonte dos Bombeiros Sapadores de Braga.

A vítima foi transportada ao Hospital de Braga, onde se encontra internado devido aos traumatismos provocados pela queda, mas nada de preocupante, segundo apurou o JN.

Jornal de Notícias