As cotações do metal amarelo estão a ser impulsionadas pela depreciação da nota verde.


Os preços do ouro estão a ganhar terreno, a registar a maior subida num mês, animados pela desvalorização do dólar, o que intensificou a procura do metal precioso como investimento alternativo.

O dólar está a ceder terreno pela quarta sessão consecutiva face a um cabaz de seis grandes moedas, devido à especulação de que a Reserva Federal irá manter as taxas de juro perto dos 0% para ajudar a estimular a economia.

Quando a nota verde desvaloriza, as matérias-primas denominadas em dólares ficam mais atractivas para os investidores. Assim, o ouro, além do seu tradicional estatuto de valor-refúgio, está também a ser animado pela depreciação da moeda norte-americana.

O metal amarelo ganha cerca de 27% no acumulado de 2010 e este é o 10º ano consecutivo de valorizações. No passado dia 7 de Dezembro, o ouro atingiu um máximo histórico de 1.432,50 dólares por onça.

Os futuros do ouro seguem a subir 1,65% no mercado nova-iorquino, para 1.405,73 dólares por onça.

Também a prata está no caminho da valorização. O metal precioso para entrega em Março segue a ganhar 1,9% para 29,82 dólares por onça em Nova Iorque.

Segundo os analistas inquiridos pela Bloomberg, a prata para entrega imediata (mercado spot) poderá atingir um máximo de 40 dólares por onça em 2011. Este ano, a prata regista uma subida de 75%.

O paládio (que hoje já esteve em máximos de Abril de 2001 e que valoriza cerca de 90% desde o início do ano) e a platina também estão a negociar em terreno positivo no mercado nova-iorquino.

Jornal de negócios