País sul-americano vive num ambiente de terror

O futebol do Equador vive um verdadeiro pesadelo. Alguns dos pincipais jogadores do país estão a ser forçados a pagar elevadas quantias de dinheiro a gangues organizados, sob ameaça de rapto e mesmo morte.

Luis Bolaños, jogador do Liga de Quito e uma das estrelas do campeonato, foi um dos últimos a conhecer o terror destes grupos organizados. «Dispararam quarto tiros sobre mim. Uma acertou-me no ombro, mas não apanhou nenhum osso, nervo ou artéria. Não paguei o que exigiram e vingaram-se dessa maneira», explicou o atleta.

Fricso Erazo, do Nacional, também falou aos jornalistas sobre isto. «Tenho muitos colegas de equipa nesta situação. Não estamos a falar de quantias pequenas. Estamos a falar de 10 e 15 mil euros, em algumas situações. Eles apanham-nos em sítios públicos e ameaçam a nossa integridade física e a da nossa família.»

Edison Preciado, seu colega de equipa, resumiu a situação. «Quando vamos nas ruas nunca sabemos se regressamos vivos a casa.»

Mais Futebol