Um tribunal cubano condenou a 15 anos de prisão um cidadão norte-americano, acusado do crime de "actos contra a integridade territorial ou a independência do Estado".

O norte-americano, identificado como sendo Alan Gross, de 61 anos, foi condenado sexta-feira pelo crime de "actos contra a independência ou integridade do Estado".

Segundo o comunicado divulgado na televisão cubana, Alan Gross poderá interpor recurso perante o Supremo Tribunal de Cuba da sentença, que retirou cinco anos aos 20 que eram solicitados pelo Ministério Público.

O Tribunal Provincial de Havana indica na sentença que as provas apresentadas durante o julgamento comprovam o seu envolvimento directo "num projecto subversivo do Governo dos Estados Unidos" contra Cuba.

O alegado objectivo deste projecto era tentar "destruir" a revolução cubana "mediante o emprego de sistemas informáticos e de comunicação fora do controlo das autoridades para promover planos de desestabilização"

O caso de Gross, que foi detido em Cuba em Dezembro de 2009, converteu-se em novo foco de tensão entre Havana e Washington, que mantém um conflito desde há 50 anos.

Jornal de Notícias