Hoje é noite para admirar o troféu de campeão nacional 2010/2011. Hoje também é noite de despedidas, é o último jogo da época em casa. A festa começa às 20 horas.

Oito da noite, mais minuto menos minuto: o Dragão andará perto de encher ou mesmo esgotado, o jogo com os castores é as 20.15 horas, mas é dia de entrar mais cedo, porque antes de começar a partida, será exibida a menina dos olhos dos portistas, a taça do campeão 2010/2011.

O insinuante troféu em ouro e prata desenhado por Nuno Martins, uma torre prateada de oitenta centímetros que vai ser projectada em feixes sanjoaninos, directa ao coração dos adeptos.

Feixes convergentes numa conquista que antecipa largamente as festas do santo padroeiro da cidade, uma cerimónia que, na prática, é o convite extemporâneo à tradição, ou se quisermos ainda, o anúncio precoce da abertura formal das festas da cidade, já com uma Supertaça e um título em cartaz, e ainda duas finais pela frente...

Mais que o jogo, porque o FC Porto, na Liga, só tem agora como objectivo melhorar números e tentar igualar o Benfica de 1972/73 colheita Jimmy Hagan (campeão sem derrotas), as cerimónias do dia, já noite, prendem-se então com a exibição dessa preciosidade que o dragão deixou escapar para a Luz, mas que um conjunto de raios luminosos (os fenónemos Hulk, Falcao, Guarín e por aí fora) recolocou nos céus da Invicta.

A Bola