O governo líbio revelou que um ataque da NATO executado esta segunda-feira causou a morte de pelo menos 15 pessoas, apesar do organismo que coordena a intervenção internacional na região garantir que não foram realizados ataques aéreos na região há mais de 24 horas.

O bombardeamento aéreo foi conduzido em Surman, cidade 60 quilómetros a oeste da capital líbia, Tripoli. O ataque terá visado um complexo familiar, e pelo menos três crianças estarão entre os mortos.

Moussa Ibrahim, porta-voz do governo, englobou o ataque na «lógica de intimidação» que defender estar a ser conduzida pela NATO.

«A NATO está a alvejar civis. Querem que os líbios deixem de lutar, querem quebrar o nosso espírito», prosseguiu.

As informações avançadas pelo regime líbio são contrapostas pela NATO. Um membro da organização revelou, sob anonimato, que não foram conduzidos quaisquer ataques aéreos na região nas últimas 24 horas.

O regime de Muammar Kadhafi por várias vezes tem acusado a NATO de dirigir ataques à população civil do país, algo que tem sido sempre recusado pelas forças internacionais, apesar de ter já reconhecido alguns erros de planeamento.

Já no domingo, recorde-se, um ataque atingiu acidentalmente uma zona residencial, e várias pessoas terão morrido, algo que foi reconhecido pela NATO.

SOL/AP