Investigações de burlas pelas finanças e pela Saúde, a escolha do primeiro-ministro de viajar até Bruxelas em classe económica e a demissão da directora do Centro de estudos Judiciários são destaques nos jornais de hoje.

«Fisco caça Joe Berardo», destaca em manchete o Jornal de Notícias (JN), salientando que a Inspecção-geral das Finanças acusa a Fundação Berardo de não ter liquidado 120 mil euros em IVA e IRS em 2009, quando adquiriu obras de arte para o Museu Colecção Berardo, que recebeu fundos estatais da Cultura.

No entanto, o empresário madeirense «nega qualquer incumprimento fiscal», realça o jornal no desenvolvimento da notícia.

O JN destaca que há outros «relatórios explosivos» das inspecções da Saúde e das Finanças, que apanham médicos e magistrados.

«Investigação da PJ encontra receitas passadas por clínicos que já morreram», destaca o JN, enquanto o Correio da Manha (CM) revela que havia «vinhetas de médicos mortos em receitas».

A demissão da directora do Centro de Estudos Judiciários devido ao copianço generalizado de futuros juízes num exame é destaque no Diário de Notícias (DN), mas também no i («Caso do copianço. Diretora do CEJ demitiu-se») e no Público («Caso do teste anulado faz cair directora do CEJ»).

O CM destaca em manchete que um «Falso PJ burla magistradas»: estava evadido da cadeia há oito anos, fazia-se passar por agente da polícia e a investigação apura agira se o burlão teve acesso a informação de processos.

O Público destaca que, na cimeira europeia onde Pedro Passos Coelho participa hoje pela primeira vez como primeiro-ministro, «Portugal vai ter de garantir que não seguirá os passos da Grécia».

O DN realça que «Passos Coelho viaja em económica até Bruxelas», enquanto o CM destaca que «Passos Coelho quer viajar em classe económica» e o i «Passos Coelho vai a Bruxelas em classe económica», realçando que o PM «poupa 2265 euros».

Em manchete, «Centros de saúde perdem 4 milhões de consultas em 2009», relativamente a 2008, segundo um relatório da direcção-geral da saúde, que o jornal justifica com a saída de muitos médicos para a reforma e pela transferência das consultas dos SAP para os serviços de urgência básica (SUB).

O DN destaca ainda que «Teixeira dos Santos voltou à ‘vida civil’», tendo regressado nesta quarta-feira à sua faculdade de sempre, no Porto, que «30% dos portugueses querem emigrar» e que «Inspecção denuncia má gestão dos dinheiros públicos», segundo um relatório das finanças, que denuncia que o Ministério da justiça pagou 165 mil euros de subsídios a magistrados que já morreram.

O CM revela que inspecção detecta «Batota nas contas das câmaras» e que «657 mil famílias tem calotes» na banca, enquanto o i divulga que «mais de 8 mil famílias deixaram de poder pagar a casa entre Janeiro e Março».

Por seu lado, o Público salienta que «uma em cada cinco empresas não paga à banca», que «Portugal perdeu 300 milionários no ano passado» e que a «demissão de governadores civis não tem efeitos imediatos».

«Presidente da Comissão de Protecção de dados recebeu 59 mil euros a mais», segundo um relatório do Tribunal de Contas, em manchete no i.

Devido ao São João, o cabaz da sardinha, no Porto, «sobe de 10 para 100 euros», segundo o JN, enquanto o i realça que esta «’festa já não é o que era, mas toda a gente sai à rua».

O Jogo revela que os jogadores do Benfica estão «Cheios de Fé» e começaram os trabalhos em busca da reconquista de glórias passadas, enquanto A Bola destaca que o médio holandês Stijn Schaars, uma nova conquista de Alvalade, considera o Sporting «Irresistível» e o Record afirma que, no primeiro dia como treinador do Sporting, «Domingos [Paciência esteve] a todo o gás».

Lusa / SOL