O Governo português tomará a decisão sobre a rede de alta velocidade em Setembro, que procurará articular com as autoridades espanholas, afirmou esta quarta-feira o ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira.

«Em relação ao comboio de alta velocidade, comuniquei ao senhor ministro que a intenção é chegar internamente a uma decisão em Setembro, articulando essa decisão com as autoridades espanholas», afirmou.

O governante português falava depois de um encontro que manteve em Madrid com o ministro do Fomento, José Blanco, durante o qual se analisou a decisão portuguesa sobre o TGV, no âmbito da ligação ferroviária entre Lisboa e Madrid e entre Porto e Vigo.

Santos Pereira prestou apenas uma declaração, sem direito a perguntas, tendo José Blanco permanecido depois da sala de imprensa para responder aos jornalistas.

Questionado pela Lusa sobre o eventual impacto que uma decisão definitiva de suspensão do TVG por Portugal tenha nas contas do projecto do lado espanhol – dado o envolvimento de fundos europeus – Blanco escusou-se a antecipar posições.

«Estão a analisar o projecto. Em nenhum caso disseram que suspenderiam o projecto, adiam até tomar uma decisão definitiva, que se conhecerá no mês de Setembro. Não façamos hipóteses sobre uma decisão que não conhecemos», afirmou.

Ainda assim, insistiu, Espanha mantém os seus objectivos no que toca à ligação em alta velocidade entre Madrid e a fronteira com Portugal, numa altura em que todos os troços dessa ligação estão licitados, adjudicados, em fase de execução ou, em alguns casos, terminados.

«Quero ratificar o compromisso de Espanha em relação com o AVE Madrid-Extremadura. Continuaremos com a nossa acção e programação, mas queremos partilhar com Portugal os objectivos e desafios que temos como país», considerou.

Blanco explicou aos jornalistas que Portugal considera não ter, actualmente, «condições financeiras para enfrentar o custo financeiro do projecto tal como está concebido».

«O Governo português precisa de tempo para estudar as formas, os custos e em Setembro terão uma resposta definitiva, não apenas coma linha de Madrid Lisboa, mas também entre Porto e Vigo», disse.

«Além disso, eles consideram prioritário, com ou sem alta velocidade impulsionar o transporte ferroviário de mercadorias. Por linhas de alta velocidade em linhas mistas ou linhas sem alta velocidade. Para o governo português, para a sua competitividade e o seu desenvolvimento económico é importante dar saída às suas mercadorias», considerou.


Lusa/SOL