Aquele a quem chamam o Cristiano Ronaldo da Colômbia - por algumas semelhanças físicas e, claro, pela qualidade que tem como futebolista - já chegou ao Porto, já treinou e está pronto para baralhar as contas a Vítor Pereira, a começar já pelo jogo da Supertaça Europeia, no Mónaco.

O colombiano fez apenas uma semana de férias e tem embalagem para se juntar ao grupo de eleitos, até porque é alguém que apenas com 20 anos ganhou um estatuto importante dentro do grupo. Custou no início, mas hoje ninguém o dispensa. Os adeptos desconfiaram no início, mas hoje adoram-no. James é coqueluche na Colômbia, subiu até às estrelas durante o Mundial em que Portugal foi finalista, escapou ao coro de críticas, entrou no lote dos futebolistas mais amados do país organizador, aquele a que pertence.

Parece que energia não lhe falta. Afinal, estamos a falar de um futebolista que fez a final da Taça de Portugal em Maio, representou a Colômbia no Torneio de Toulon, voltou para fazer uma parte do estágio de pré-temporada dos dragões e regressou à Colômbia para o Mundial de sub-20.


A Bola