«Espero não estragar tudo aquilo que tenho em mãos» - Vítor Pereira

Vítor Pereira destaca talento do plantel do FC Porto. Quer dar asas à magia dos jogadores que tem à disposição.

Depois do penalty falhado, o FC Porto sofreu um golo. Chegou a temer o pior?

Não. Eu conheço muito bem esta equipa, estava cá na época passada e sei qual é a capacidade de resposta destes jogadores às adversidades.

Não tivemos sorte na grande penalidade e depois sofremos aquele golo, mas senti sempre a equipa consistente e confiante, a provocar os erros do adversário.

Frente a esta equipa é preciso ter bola e paciência e foi o que fizemos. Mesmo na infelicidade fomos uma equipa com carácter e que sabia bem o que estava a fazer.

A organização manteve-se e, depois, o talento proporcionou momentos de qualidade e de inspiração. E se fosse preciso, mais faríamos.

Tem sido o primeiro a defender Kléber. O que significou para si o abraço que recebeu do jogador depois do 2-1?

Foi uma manifestação espontânea de um jogador que tem trabalhado muito e que vai evoluir para níveis superiores.

Foi um gesto de quem quem dá tudo o que tem. Fiquei feliz pelo golo, ele mereceu-o porque trabalha muito para a equipa.

James é, neste momento, um jogador num plano mais elevado do que todos os outros no plantel?

Tem um talento muito grande e vai ser um futebolista de nível mundial, mas ainda é um menino que está a crescer.

Temos muitos jogadores talentosos e quero orientá-los sem muitas amarras tácticas, para que possam desenvolver para um patamar superior.

Espero é não estragar tudo aquilo que tenho em mãos.


A Bola