Os ataques informáticos são cada vez mais frequentes e preocupam cada vez mais os decisores políticos. Daí que a Austrália e os Estados Unidos da América tinham assinado uma adenda ao seu tratado de defesa conjunta a incluir esta nova realidade
Com a assinatura desta adenda, se um destes países for alvo de um ciber-ataque a resposta ao mesmo pode ser conjunta.
A notícia é avançada pela Reuters, que explica que esta é a primeira vez, fora do contexto da NATO, que é assinado um tratado desta natureza.
«Esta medida é importante porque, como eu tenho vindo a frisar, o futuro vai trazer-nos o campo de batalha cibernético», referiu Leon Panetta, secretário da Defesa dos EUA, citado pela Reuters.
«A melhor maneira de fazer face a estas ameaças é em conjunto e não cada um por si», frisou o mesmo responsável.


SOL