Polícia investiu sobre participantes
Manifestantes corridos à bastonada em Luanda


A primeira tentativa de concentração para a manifestação antigovernamental marcada para hoje em Luanda foi corrida à bastonada pela polícia, disse à Lusa um dos organizadores.

Protestos têm sido mais intensos nos últimos meses

"Tivemos que dispersar, porque logo que nos começámos a concentrar, a polícia, e civis que consideramos serem agentes à paisana, começaram a bater e a prender", disse Adolfo Campos.

A carga policial provocou pelo menos um ferido, Luaty Beirão, o conhecido "rapper" Ikonoclasta com ferimentos da cabeça e número indeterminado de detidos, acrescentou Adolfo Campos.

A Lusa contactou a comandante provincial da Polícia Nacional, Comandante Bety Franque, que disse estar a receber informações do responsável policial no local, pelo que não dispunha de informações que pudessem confirmar as alegações dos manifestantes.

Convocada pelo autodenominado Movimento Revolucionário Estudantil, para exigir o afastamento da presidente da Comissão Nacional Eleitoral e a demissão do Presidente José Eduardo dos Santos, o primeiro ato da manifestação era a concentração no Cazenga, bairro popular situado a norte de Luanda, com os manifestantes a tentarem progredir em direcção da Praça da Independência, no coração da capital.

A manifestação vai realizar-se 24 horas depois do mais recente ataque perpetrado por desconhecidos, alguns encapuzados, contra alguns dos organizadores do protesto.

A iniciativa visa protestar contra a designação de Suzana Inglês para a presidência da CNE, que desencadeou uma série de iniciativas dos três maiores partidos da oposição com representação parlamentar, UNITA, PRS e FNLA, junto do Conselho Superior da Magistratura Judicial e do Tribunal Supremo, onde interpuseram uma providência cautelar, e que foram liminarmente rejeitadas por estes dois órgãos judiciais.

Os organizadores pretendem ainda com o protesto exigir a demissão do Presidente José Eduardo dos Santos, a quem acusam de se manter há 32 anos no poder sem ter sido eleito.

C.da Manha