ACP quer soluções para travar escalada dos preços dos combustíveis




O Automóvel Clube de Portugal (ACP) alertou hoje, numa carta aberta ao ministro da Economia, para o «flagelo» da subida dos preços dos combustíveis e questionou o Governo sobre as soluções para este «quadro de miséria».

O ACP sublinha que a escalada dos preços se reflecte «imediatamente no agravamento do custo de todos os bens de primeira necessidade» e recorda que o ministro da Economia anunciou a criação de uma rede de postos de combustíveis ‘low cost’ que não passou de «um anúncio de intenções».

Para o ACP, a situação tornou-se «insustentáve» ameaçando 300 postos de combustíveis e 2 mil empregos, face à queda de 6,6 por cento no consumo de combustíveis (dados de Dezembro de 2011) que tirou da estrada 130 mil carros por dia.

Segundo dados hoje divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), a taxa de inflação em Fevereiro foi 3,6 por cento, com um contributo significativo dos preços dos combustíveis.

Tal como a Lusa noticiou na sexta-feira, o preço dos combustíveis deverá voltar a aumentar esta semana nos postos de abastecimento, já a partir de hoje.

«Os aumentos serão superiores na gasolina do que no gasóleo, devendo em ambos os casos ser superior a um cêntimo», adiantou à Lusa uma fonte do sector.


Lusa/SOL