Estes conselhos vão ajudar-te a arranjar tempo para estudar.


Já sabemos que deves estar farto de ouvir conselhos. Mas também, farto por farto, aqui ficam mais uns que te poderão ajudar a ultrapassar a árdua tarefa de arranjar um tempinho para estudar.


O tempo não é elástico, embora possas tentar fazer com que seja. Depois, quando dás por ti tens 1001 coisas para fazer, e perguntas-te: Onde é que vou arranjar tempo para estudar? Talvez o problema não seja a falta de tempo, mas a forma como o organizas e hierarquizas as tuas prioridades.


Achares que os planos:


- são para se cumprir integralmente;


- diminuem a espontaneidade e prendem a acção, não deixando espaços para imprevistos;


- são uma perda de tempo, pois levas muito tempo a planear as coisas.


São pensamentos que interferem com as tarefas, bloqueiam a acção e permitem-te continuar a pensar que és um “caso perdido” e não há hipótese de mudares: o tempo continuará a não ser suficiente!


Possivelmente continuarás a:


- não separar os momentos trabalho e de lazer. Tentar misturar as duas coisas raramente resulta bem e acabas por escolher dedicar-te mais ao lazer ou sentir culpa, porque quando estás a divertir-te estás a pensar em tudo o que tens que fazer e não estás a fazê-lo e enquanto estudas estás exausto e ressentido por não teres tempo para te divertires o suficiente;


- esquecer-te de compromissos e do que é mais prioritário, porque entre todas as coisas que tens para fazer não verificas o que de mais urgente requer o teu empenho;


- queixares-te de falta de produtividade. Tentas fazer todas as coisas e não consegues fazer nenhuma ou as que são realmente importantes, o que é um convite para a dispensável ansiedade se juntar à festa;


- não ter noção dos teus ritmos. Se trabalhas melhor à noite, para que é que planeias deitar-te cedo e acordar cedo para tentar fazer um trabalho? Já sabes antecipadamente que não vais conseguir adormecer cedo e que quando acordares vais levar o dobro do tempo a fazê-lo porque de manhã sentes mais dificuldades em concentrares-te;


- sentires-te cansado. O cansaço é inimigo da produtividade, planeares o teu tempo retirando-te horas de sono, pausas no teu estudo, momentos de lazer é promoveres um grande factor de stress dispensável;


- planear o teu tempo de uma forma irrealista.
O que é um convite ao boicote, pois se és tu a poder decidir prazos (mesmo quando são outros a definir datas de entrega de trabalhos, reuniões de grupo, datas de exames, etc.), quando e como fazes determinada tarefa, sê honesto contigo próprio, para depois não sentires que não fazes a coisas por falta de competência ou incapacidade.


Antes de começares a planear a melhor forma para gerires o teu tempo, opta por perceber primeiro como é que “gastas” o teu tempo, contabiliza o tempo médio diário que gastas com as seguintes actividades: dormir; comer; lavar; vestir; tarefas domésticas; aulas; desporto ou outras actividades com horário fixo; transportes; ver televisão, jogar computador, etc..


Perceberes como ocupas o teu tempo permitir-te-à:


- Veres se existem tempos mortos ou desocupados, se estás a levar injustificadamente tempo a mais ou a menos em tarefas;


- Analisar as horas diárias que sobram;


- Calcular as horas médias de estudo e lazer que podes estabelecer, de acordo com a tua carga horária;


- Gerir de uma forma mais adequada esse tempo.


Traça o teu plano diário, semanal, mensal, anual...



Optar por um plano diário, semanal, mensal ou anual depende do que se pretende com o plano e das necessidades de cada pessoa. Traça o teu!


- Plano diário: tens a clara noção dos prazos, mas nuca consegues planear o teu dia-a-dia de modo a cumpri-los? Então, o plano diário é o mais indicado para ti, pois obriga-te a assentar as ideias quanto ao que tens que fazer para atingir os teus objectivos.


- Plano semanal: tal como o diário, é bom para os mais desorganizados. Mas tem uma vantagem: dá-te uma ideia mais abrangente do que tens para fazer.


- Plano anual: se és capas de organizar perfeitamente o teu dia-a-dia, mas tens dificuldade em delinear a longo prazo, este é plano ideal para ti. Permite-te calendarizar as actividades e os prazos a cumprir, mesmo que seja só daqui a seis meses! É bom para situações de frequências, trabalhos grandes, reuniões...


-Plano mensal: tal como o anual, permite fazeres um planeamento a longo prazo. Mas tem uma vantagem: não corres tanto o risco de te perderes em projectos e deixares as coisas ficarem por isso mesmo: projectos.


Não faz sentido:


- planear para o ano inteiro as visitas a fazer a amigos ou as idas ao cinema;

- não prever um exame se não uma semana antes.



sapo