PJ de Lisboa abriu as portas a uma corrida ao ouro roubado

Os agentes da Polícia Judiciária de Lisboa não tiveram mãos a medir com a quantidade de pessoas que se deslocou à sede, em Lisboa, na expectativa de identificarem alguma peça de ouro que tivesse sido recuperada após o desmantelamento de uma rede de furtos.
Cerca de 30% (num valor aproximado de um milhão de euros) de todo o material apreendido em Espanha é de origem nacional, o que levou o juiz espanhol responsável pelo processo a enviar as peças para Lisboa.
Um investigador da Polícia Nacional espanhola, que está na PJ a avaliar as identificações disse ao JN que o grupo criminoso, a maior parte composto por cidadãos do Leste europeu, atuava em Espanha e Portugal, mas há a convicção de que os cabecilhas estão em Itália.


Jornal de Notícias