1. #1
    Avatar de eica
    Registo
    Apr 2009
    Posts
    21.075

    Padrão Diretor-adjunto do SIED foi demitido

    O diretor-adjunto do Sistema de Informações Estratégicas de Defesa e o diretor do Departamento Comum de Segurança foram afastados de funções, dois dias após ser conhecida a acusação do "caso das secretas".

    O diretor-adjunto do Sistema de Informações Estratégicas de Defesa (SIED) foi demitido, na terça-feira, pelo secretário-geral do Sistema de Informações da República Portuguesa (SIRP), segundo um comunicado oficial divulgado esta quarta-feira.

    Já hoje foi também afastado de funções, a seu pedido, o diretor do Departamento Comum de Segurança do SIRP, acrescenta o texto enviado pelo gabinete do secretário-geral do SIRP, Júlio Pereira.

    O comunicado não faz referência a nomes, mas na página na internet do SIED consta o nome de João Bicho como diretor-adjunto daquele serviço desde agosto de 2010.

    As demissões são conhecidas dois dias depois de o Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa ter acusado três arguidos no "caso das secretas".

    São eles Jorge Silva Carvalho, ex-diretor do SIED, Nuno Vasconcellos, presidente do grupo Ongoing, e João Luís, antigo diretor do Departamento Operacional do SIED.

    Fonte: Jornal de Notícias

  2. #2
    Avatar de florindo
    Registo
    Oct 2006
    Posts
    38.440

    Padrão Nuno Vasconcellos refuta liminarmente a acusação de corrupção



    Nuno Vasconcellos refuta liminarmente a acusação de corrupção

    O advogado do presidente da Ongoing, Nuno Vasconcellos, acusado de corrupção activa no chamado «caso das secretas», refuta «liminarmente a acusação» e considera não existirem elementos de prova.
    «Nuno Vasconcellos refuta liminarmente esta acusação», disse à agência Lusa o seu advogado Proença de Carvalho.
    Para o defensor do presidente da Ongoing, a acusação do Ministério Público não tem elementos de prova suficientes para imputar a Nuno Vasconcellos o crime de corrupção.
    «Acho que não há ali [na acusação] elementos de prova dos factos que lhe estão a ser imputados. O que há é uma interpretação abusiva e sem provas a partir de dados objectivos», disse o advogado, adiantando que ainda não decidiu se vai pedir a abertura da fase de instrução deste processo.
    Para Proença de Carvalho, o Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa fez uma «interpretação abusiva e sem provas a partir de uma relação [entre Nuno Vasconcellos e Jorge Silva Carvalho] que nada tem de ilícito».
    Na segunda-feira, o Ministério Público acusou o presidente da Ongoing, Nuno Vasconcellos, de corrupção activa e o ex-director do Serviço de Informações Estratégicas de Defesa (SIED) Jorge Silva Carvalho de acesso indevido a dados pessoais, abuso de poder e violação de segredo de Estado.
    No mesmo processo foi ainda acusado o arguido João Luís, director do departamento operacional do SIED de, em co-autoria com Jorge Silva Carvalho, ter acesso ilegítimo agravado, acesso indevido a dados pessoais e abuso de poder (na forma consumada).
    A acusação concluiu que os três arguidos «agiram em conjugação de esforços e de intentos» e «sempre de forma livre e deliberada, sabendo que as suas condutas eram contrárias à lei».
    Da conduta do presidente do grupo Ongoing resultou a acusação da prática de crime de corrupção activa para ato ilícito, na forma consumada.
    A acusação refere também que, após o verão de 2010, Silva Carvalho avaliou as hipóteses de ingressar na Ongoing, empresa onde já trabalhavam João Alfaro, ex-funcionário do Sistema de Informações e Segurança (SIS) e Fernando Paulo Santos que, com outros administradores e funcionários do grupo e com o arguido, partilhavam sessões, encontros e jantares da mesma organização maçónica, a Grande Loja Legal de Portugal.
    Entre 22 e 23 de Outubro de 2010, segundo o MP, Jorge Silva Carvalho negociou com Nuno Vasconcellos a sua contratação pela Ongoing, expondo-lhe o que usufruía nas secretas (quatro mil euros líquidos com carro, motorista, telefone ilimitado, carro para uso privado e combustível ilimitado).
    A 23 de Outubro de 2010 acordaram que iniciaria funções em 1 de Dezembro desse ano, garantindo Silva Carvalho ao presidente da Ongoing que tudo faria para o recompensar.
    Entre outros aspectos, a Ongoing estava interessada na actividade negocial no contexto da construção de infra-estruturas no Porto de Astakos, na Grécia, decorrendo negociações entre Fernando Paulo Santos e Vasco Rato (do lado da Ongoing) com dois empresários russos.

    Lusa / SOL




Tópicos Similares

  1. Ex-director do SIED exige conhecer relatório
    Por florindo no fórum Arquivos
    Respostas: 0
    Último Post: 05-08-2011, 11:32
  2. Respostas: 0
    Último Post: 29-07-2011, 12:38
  3. Ex-director do SIED admite ter enviado emails
    Por florindo no fórum Arquivos
    Respostas: 0
    Último Post: 28-07-2011, 12:36
  4. Respostas: 0
    Último Post: 23-07-2011, 18:40
  5. Eutelsat com novo diretor comercial
    Por [email protected]@se no fórum Outros Satélites & Operadores
    Respostas: 0
    Último Post: 04-07-2010, 10:27

Tags para este Tópico

Permissões de Postagem

  • Você não pode iniciar novos tópicos
  • Você não pode enviar respostas
  • Você não pode enviar anexos
  • Você não pode editar suas mensagens
  •  

Conectar

Conectar