Episódio sangrento na capital, Damasco
Síria: 70 mortos e de 372 feridos em atentados


Pelo menos 70 pessoas morreram esta quinta-feira e 372 ficaram feridas devido a dois atentados perpetrados em Damasco, na Síria, indicou a televisão pública síria, citando um balanço provisório do Ministério da Saúde.

Estes ataques surgem numa altura em que são crescentes os alertas para uma eventual guerra civil na Síria, depois das repetidas violações do cessar-fogo instaurado a 12 de Abril, o último dos quais proferido pelo secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, na sequência do ataque na quarta-feira contra os observadores internacionais.

O chefe dos observadores, general norueguês Robert Mood, deslocou-se ao local dos atentados, que devastaram o sector de Qazzaz, no sul de Damasco.

Os ataques ocorreram quase simultaneamente cerca das 08h00 locais (06h00 em Lisboa), numa via rápida no sul de Damasco, "numa altura em que as pessoas se deslocavam para o trabalho e os alunos para a escola", afirmou a televisão pública síria, que relatou "dezenas de mortos e de feridos, na maioria civis".

A televisão imputou a autoria dos atentados a terroristas, sem especificar.

Numerosas viaturas civis foram destruídas pelas explosões e as fachadas de vários edifícios ficaram danificadas.

Os atentados, incluindo um perpetrado com a ajuda de uma viatura armadilhada, visaram a sede dos serviços secretos, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

A oposição síria acusa o regime de Bashar al-Assad de estar por trás destes atentados.

A Síria enfrenta desde Março de 2011 uma revolta popular sem precedentes que se tem militarizado face à repressão sangrenta imposta pelo regime.

De acordo com o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), em 13 meses, mais de 11.100 pessoas morreram devido à violência.


C.da Manha