Julgamento de Breivik interrompido após disparo de sapato

O julgamento de Anders Behring Breivik, o autor confesso de 77 mortes na Noruega, foi brevemente interrompido nesta manhã de sexta-feira depois de o irmão de uma das vítimas ter projectado um sapato na direcção do homicida. Ao gesto seguiu-se um grito enfurecido: «Vai para o inferno».
De acordo com os jornalistas presentes na sala do tribunal e com a transmissão em directo do julgamento, feita a partir do centro de imprensa no tribunal, o homem levantou-se da plateia, tirou o sapato que calçava e atirou-o com o intuito de acertar em Breivik. Acabou por falhar o alvo, acertando na cadeira de um dos advogados de defesa.
O homem gritou «vai para o inferno» e «assassino» antes de ser encaminhado para a saída pela mão dos guardas de segurança.
Por entre os restantes familiares, amigos e espectadores presentes na audiência, multiplicaram-se as reacções. Segundo a imprensa sueca, muitos ficaram «desconfortáveis». Alguns «choraram», outros «aplaudiram» o gesto.
Já Breivik permaneceu calmo e até «sorriu ligeiramente». Depois de a situação ter sido restabelecida, o homicida ainda deixou a sugestão: «Se alguém me quiser atirar mais alguma coisa, pode fazê-lo enquanto eu entro e saio da sala, obrigado».
Este foi o primeiro sinal de exaltação por parte da audiência que tem assistido impávida ao chocante julgamento no tribunal de Oslo, que começou em meados de Abril com cinco dias destinados a ouvir o próprio Anders Breivik a cerca dos seus motivos e modo de actuação.
O fanático de extrema-direita admitiu os ataques no centro da capital norueguesa e na ilha de Utoya mas negou qualquer acusação criminal, afirmando que as suas vítimas eram traidores da pátria por incentivarem o multiculturalismo.

AP/SOL