TAP cancela 68 voos devido à greve de controladores aéreos

A TAP cancelou 68 voos, um deles ao final do dia de hoje, devido à greve dos controladores aéreos agendada para os dias 17 e 18, e distribuída por três períodos diários.
De acordo com a lista de voos cancelados disponível na página na Internet da companhia aérea nacional, 68 voos, na sua grande maioria voos domésticos ou no espaço da Europa ocidental, estão cancelados devido à paralisação dos controladores aéreos.
A lista, que sofreu a última actualização ao início da tarde de terça-feira, tem a indicação de 67 voos cancelados para quinta-feira, dia 17, e um voo cancelado ainda hoje, com origem em Lisboa e destino a Bilbau, com partida marcada para as 20h35 no aeroporto da Portela.
Este cancelamento está incluído na lista de voos cancelados devido à greve, ainda que os controladores aéreos cumpram o primeiro período de paralisação na quinta-feira entre as 07:00 e as 09:00, cerca de 12 horas depois da hora de partida do voo para Bilbau.
A transportadora aérea portuguesa está também a divulgar, desde terça-feira, que vai permitir aos seus passageiros com voos marcados para 17 e 18 de Maio, com horários abrangidos pelos períodos de greve estipulados pelos controladores aéreos, a remarcação das viagens sem qualquer custo adicional.
A TAP está também a reprogramar os seus voos, com alterações de horários para períodos anteriores ou posteriores aos da paralisação.
Os controladores aéreos agendaram para este mês cinco dias de greve, nos dias 11, 17, 18, 24 e 25, com três períodos diários entre as 07:00 e as 09:00, as 14:00 e as 16:00, e as 21:00 e as 23:00.
Os sindicatos que representam os trabalhadores da NAV – Navegação Aérea de Portugal - avançaram para a greve para contestar a «continuada» ausência de respostas do Governo para a situação de «instabilidade social sem paralelo» na empresa.
As estruturas sindicais alegam estar há mais de um ano a chamar a atenção dos governantes para «o prejuízo» das medidas orçamentais em vigor para os funcionários, a empresa e o país.

Lusa/SOL