Mladic começou a ser julgado por genocídio e crimes de guerra

Vinte anos depois dos massacres e atrocidades da guerra na Bósnia, o ex-general Ratko Mladic começou a ser julgado no Tribunal de Haia.
Está acusado de genocídio, crimes contra a Humanidade e crimes de guerra.
De fato e gravata, Mladic compareceu no tribunal e aplaudiu aos seus defensores que estavam na plateia.
Ocasionalmente tirou alguns apontamentos, mas nunca mostrou qualquer emoção enquanto os procuradores liam as acusações.
Mladic recusou justificar os seus actos, mas negou ter tido uma conduta errada e disse que agiu em defesa dos sérvios na Bósnia.
Se Mladic for condenado, enfrenta uma pena máxima de prisão perpétua.
A chegada de Mladic à barra do tribunal marca o fim de uma longa espera dos sobreviventes para que fosse feita justiça face aos crimes cometidos entre 1992 e 95 num conflito que matou cerca de 100 mil pessoas.
Munira Subasic, que perdeu 22 familiares no massacre de Srebrenica em 1995, é uma das sobreviventes que compareceu no tribunal para assistir ao julgamento.
A sexagenária diz querer olhar «olhos nos olhos» do ex-militar.

AP/SOL