Devido a “irregularidades”
Julgamento de Ratko Mladic suspenso e adiado ‘sine die’


O julgamento do antigo chefe militar dos sérvios da Bósnia Ratko Mladic foi suspenso, esta quinta-feira, e adiado ‘sine die’, devido a "irregularidades" na entrega à defesa de documentos na posse do gabinete do procurador.

No segundo dia do julgamento, os juízes do Tribunal Penal Internacional para a ex-Jugoslávia decidiram "suspender" a audição da primeira testemunha de acusação, inicialmente prevista para 29 de maio.

"A audiência é adiada 'sine die'", declarou o juiz Alphons Orie, adiantando que o tribunal "decidiu suspender o início da apresentação de provas".

O juiz, que assegurou que o tribunal comunicará logo que possível a data de reinício das audiências, evocou "irregularidades" na entrega à defesa de documentos na posse do gabinete do procurador e que deveriam permitir à defesa preparar-se para o julgamento.

A defesa de Mladic, de 70 anos, pediu na segunda-feira aos juízes o adiamento do julgamento por seis meses, alegando não estar pronta e a acusação respondeu na quarta-feira não se opor a um adiamento da apresentação de provas.

Detido a 26 de Maio de 2011 na Sérvia, depois de ter estado a monte durante 16 anos, Ratko Mladic é acusado de crimes cometidos pelas tropas que comandava durante a guerra da Bósnia, da qual resultaram 100 mil mortos e 2,2 milhões de deslocados, entre 1992 e 1995.

Mladic afirma-se inocente de 11 acusações de genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra, e deverá responder nomeadamente pelo massacre de Srebrenica, durante o qual cerca de 8.000 homens e rapazes muçulmanos foram mortos pelas forças sérvias da Bósnia, o pior massacre na Europa desde a II Guerra mundial.


C. da Manha