Madonna levou espectáculo de efeitos sonoros e visuais a Coimbra

A passagem da cantora norte-americana Madonna, domingo à noite, pelo estádio Cidade de Coimbra mostrou, mais do que um concerto musical, um espectáculo de entretenimento com muita dança e performances várias, efeitos sonoros e visuais.
Madonna revelou algumas dificuldades vocais ao longo do espectáculo iniciado as 22h, patentes, por exemplo, quando entrou fora de tom em Papa Don't Preach, o quarto tema da noite, que não durou mais do que os primeiros versos e um refrão.
Entre blocos de canções, o espectáculo teve vários momentos de vídeo e dança, protagonizada pelo grupo de 22 bailarinos que acompanha a cantora, enquanto, nos bastidores Madonna mudava de roupa, o que fez pelos menos cinco vezes ao longo da noite.
A cantora levou 43 minutos até se dirigir ao público presente em Coimbra - a anunciada lotação de 45 mil lugares ficou longe de esgotar, com a zona do relvado e todos os sectores das bancadas e a apresentarem clareiras de lugares vazios - alegando, em inglês, querer «ouvir toda a gente a cantar» o nono tema da noite Turn Up the Rádio, incluído no novo álbum M.D.N.A..
Nos interlúdios de vídeo, dança e acrobacias várias e também nos novos temas de M.D.N.A. o público mostrava-se algo apático, provavelmente mais conhecedor dos 'hits' da chamada rainha da pop do que dos temas mais recentes.
Sensivelmente a meio do concerto, por alturas de Open Your Heart, de 1986, Madonna apresentou um grupo de percussão que a acompanhou no tema, disse que ia cantar uma canção «antiga» e desafiou a assistência a acompanhá-la.
Seguiu-se Sagara Jo, o momento 'político' da noite, mas também um dos melhores momentos musicais, com a cantora a defender, num pequeno discurso, a liberdade de expressão e a desafiar «todos» a respeitarem-se e a respeitarem as diferenças de outros, condição para a guerra deixar de existir, disse.
Na recta final do espectáculo, as dificuldades vocais da cantora voltam a manifestar-se em Erotic Candy Shop: desafinou nos tons graves, não conseguindo manter a nota e não cantou, sequer, os tons mais agudos, percebendo-se que aquela parte da actuação foi feita em 'playback'.
Com Human Nature, tema de 1994, e um jogo de espelhos em palco, a chamada 'rainha da pop' ensaiou um show de 'striptease', junto ao público, no extremo do palco mas, para além de tirar a camisa branca, o momento ficou-se por uma intenção, não concretizada, de baixar as calças.
«Esta noite não», alegou, manifestando-se «introspectiva», mote para uma calma versão do clássico Like a Virgin, a solo, apenas acompanhada ao piano.
Foi preciso esperar por Like a Prayer - a penúltima música, muito próxima da versão original de 1989, acompanhada de um coro em estilo gospel - para o espectáculo se assemelhar a um verdadeiro concerto, com o público a cantar e aplaudir Madonna, após a cantora reentrar em palco com uma bandeira portuguesa.
Celebration, tema de 2009, fechou o anunciado alinhamento, idêntico aos restantes concertos da digressão europeia, com plataformas coloridas em palco, sonoridade electrónica e a assistência aos saltos, já as luzes das saídas do estádio estavam acesas a anunciar o fim da festa, depois de uma hora e 46 minutos.

Fonte: Lusa/SOL