A subida dos preços em Julho, face a igual período de 2011, fixou-se nos 2,8 por cento, mais 0,1 pontos percentuais do que em Junho e Maio, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).
O INE indica que excluindo a energia e os bens alimentares não transformados, a taxa de variação homóloga seria de 1,3 por cento, ou seja menos 0,2 pontos percentuais do que em Junho.
Os preços do vestuário e do calçado e da saúde foram os que mais desceram, enquanto a habitação, água, electricidade, gás e outros combustíveis tiveram a maior subida.
Também os produtos alimentares e bebidas não alcoólicas, restaurantes e hotéis e transportes deram um contributo positivo para a taxa de variação homóloga de Julho.
Na comparação mensal, o índice de preços no consumidor apresentou uma variação mensal nula (que compara com os -0,2 por cento observados em Junho deste ano e os -0,1 por cento de Julho de 2011).
Já a variação média dos últimos 12 meses situou-se em 3,3 por cento, à semelhança do observado em Junho de 2012.
O índice harmonizado de preços no consumidor apresentou uma variação homóloga de 2,8 por cento (2,7 por cento em Maio e Junho), ficando 0,4 pontos percentuais acima da taxa estimada pelo Eurostat para a zona euro.
A taxa de variação mensal do índice harmonizado situou-se em 0,2 por cento e a taxa de variação média dos últimos 12 meses foi de 3,2 por cento.

Fonte: Lusa/SOL