A recente vaga de ataques lançada contra o WikiLeaks está a ser reivindicada por um grupo desconhecido, auto-denominado AntiLeaks, que afirma ser contra o pedido de asilo feito por Julian Assange ao Equador.A reivindicação dos ataques, destinados a colocar o site WikiLeaks em baixo, foi feita numa mensagem publicada on-line pelo AntiLeaks, um grupo pouco conhecido que afirma estar por detrás dos recentes ataques.
Nessa mensagem o grupo diz ser formado por «jovens adultos, cidadãos dos EUA e profundamente preocupados com os recentes desenvolvimentos de Julian Assange e o seu pedido de asilo ao Equador».
Para o responsável máximo do AntiLeaks, que pede para ser chamado de Diet Pepsi, «Assange é o líder de uma nova forma de terroristas.
Estamos a fazer isto em protesto contra a sua tentativa de escapar à Justiça [indo] para o Equador. Isto seria um catalisador para muitos como ele surgirem no seu lugar.
Não vamos parar e eles não nos vão parar».
Em resposta aos ataques o WikiLeaks afirmou, via Twitter, que estes «não só têm como objectivo evitar a divulgação de segredos, mas também manter um monopólio sobre a influência».
Quem também já reagiu à reivindicação foi o grupo Anonymous, que ameaçou o AntiLeaks com represálias.
Segundo avança o portal The Register, estes ataques estão a ter lugar numa altura em que o site de Julian Assange está a publicar um conjunto de e-mails da Stratfor Global Intelligence, uma empresa privada especializada em inteligência que foi alvo de um roubo de informação no início do ano, com referências a um sistema de monitorização norte-americano desenvolvido por uma empresa liderada por um antigo responsável da CIA.
Fonte: SOL