A banda de frequências dos 27 Mhz é marcada pela presença de um certo número de parasitas e de perturbações. estas podem ser independentes do próprio tráfego (como acontece no caso dos parasitas de origem industrial), mas outras decorrem de uma certa falta de disciplina dos amadores da banda do cidadão.

Perturbações e Paragens na Recepção

A Citizen Band, tal como a conhecemos, utiliza uma banda de frequências reservadas a aplicações «industriais, cientificas e médicas» (de 26,965 a 27,405 Mhz, mais ou menos 6%), isto é, usada por aparelhos que possuem ressonâncias em 27 Mhz sem terem qualquer relação com a radiodifusão.

Assim, actualmente, encontram-se em 27 Mhz fornos de alta frequência e aparelhos de radioterapia, ou ainda bisturis eléctricos. estes diversos aparelhos, que utilizam muitas vezes potências bastante elevadas, dão origrem a um certo número de parasitas que perturbam particularmente o tráfego CB, sobretudo em zonas urbanizadas. Estes problemas, que são impossíveis de evitar a menos que se mude de canal, não impediram no entanto que para surpresa geral se desenvolvesse uma rádio de tempos livres nesta banda de frequências muitas vezes qualificada de «esgoto hertziano».

Além dos parasitas de origem industrial, científica e médica, as transmissões CB são igualmente entravadas pelo motor dos veículos ou aparelhos domésticos mal ou não anti-parasitados, assim como pela proximidade de linhas de alta tensão e mais raramente pela presença de fenómenos eléctricos relacionados com tempestades. Finalmente, a comunicação pode ser perturbada pelos efeitos de «fading», bem conhecidos em rádio-electricidade. O «fading» traduz-se por variações da intensidade sonora na recepção causadas pela chegada simultânea de ondas que, provenientes de um mesmo receptor mas tendo percorrido diferentes, não se encontram em fase e se adicionam ou subtraem entre si em diferentes momentos. Este fenómeno de «fading» por interferência pode-se produzir quando a onda directa e a onda reflectida são recebidas simultaneamente.

Outras perturbações, infelizmente demasiado frequentes, devem-se à indesciplina de certos amadores. É este particularmente o caso quando várias comunicações ou chamadas se realizam no mesmo canal, o que tem como efeito bloquear o tráfego. Do mesmo modo, a utilização de amplificadores lineares acaba por muitas vezes levar a emissão a afectar vários canais adjacentes, ocasionando assim problemas completamente inaceitáveis para os outros utilizadores. Notemos que os amplificadores lineares são proibidos mesmo nos países onde a CB é legal.

Perturbações na Emissão

O amador deve ter presente que pode em certos casos ser ele próprio uma fonte involuntária de problemas para os utilizadores e aparelhos que nada têm a ver com a CB.

O principal problema que se deve considerar é a interferência com a recepção das emissões de televisão «QRM-televisão», em linguagem da CB). A maior parte dos receptores de televisão encontram-se de facto muito mal protegidos contras as emissões HF vizinhas. Na época dos satélites e da telemática, podemos legitimamente admirar-nos de os receptores de televisão (ou pelo menos a maioria destes) serem susceptíveis às ondas portadoras dos madores de CB - e também, não o esqueçamos, dos radioamadores decamétricos - apesar de o andar de média frequência dos televisores ser sintonizado para os 28 Mhz. Esta surpreendente lacuna de adaptação electromagnética encontra-se na origem de bastantes problemas com a vizinhança. A relação dos telespectadores privados de imagem ou recebendo repentinamente uma conversação entre aficionados da CB é perfeitamente compreensível, mas apenas serve para nos recordar que tais problemas poderiam ser facilmente resolvidos se fossem estabelecidas e respeitadas algumas normas técnicas. Neste momento, existem filtros anti «QRM-tele» perfeitamente eficazes. Finalmente, deve-se notar que certas cadeias Hi-Fi são mais ou menos sensíveis ao tráfego em 27 Mhz, em função da sua qualidade de fabrico.

Existe ainda uma outra categoria de utilizadores ocasionalmente perturbada pelos homens da CB: os radiomodelistas. Os seus modelos reduzidos são, com efeito, teleguiados por emissores que funcionam em frequências incluídas na banda CB. Ora dado que os adeptos do radiomodelismo utilizam potências de emissão muito reduzidas, uma onda portadora de 2W fornecida por um rádio CB no mesmo canal pode levar à perda de controlo do modelo radiocomandado que, entregue a si mesmo, será destruído. Quando se copnhece o valor destes aparelhos e o tempo necessário ao seu fabrico, compreende-se o descontentamento dos utilizadores deste tipo de tempos livres. Estes utilizam no total doze canais, dos quais sete são partilhados pela CB (canais n.º 2,6, 10, 14, 18, 22 e 23), situando-se os outros entre o canal 3 e o canal 4, o 7 e o 8, o 11, eo 12, o 15 eo 16, o 19 e o 20, o que não os coloca no entanto ao abrigo de interferências.

O amador de CB deve portanto estar perfeitamente informado destes problemas de que pode involuntariamente ser a origem. No interesse dos utilizadores desta frequência, quer sejam ou não aficionados da CB é necessário adoptar um comportamento respon´savel a fim de que a CB possa beneficiar de uma imagem pública digna das motivações que a animam.