O Facebook aceitou suspender a sua ferramenta de reconhecimento facial na União Europeia e apagar os dados dos perfis dos seus utilizadores, segundo a rede social e a autoridade irlandesa de proteção de dados privados.



A rede social disse em comunicado que "aceitou suspender" na Europa a sua ferramenta de reconhecimento facial e "trabalhar" com a DPC para encontrar "a forma apropriada de obter o consentimento dos utilizadores para este tipo de tecnologia de acordo com as leis europeias".

O comissário irlandês responsável pela proteção de dados, Billy Hawkes, esclareceu por seu lado que os dados relativos aos "utilizadores existentes iam ser apagados até 15 de outubro", enquanto a ferramenta tinha já sido suspensa para os novos utilizadores.

Hawkes declarou-se "particularmente encorajado" com esta decisão do Facebook que vai para além das recomendações iniciais da autoridade.

Esta função do Facebook utiliza um "software" de reconhecimento facial que compara fotos acabadas de colocar na rede com outras antigas, para sugerir o nome das pessoas que aparecem no retrato e propor, assim, aos utilizadores a sua identificação.

Desde o seu lançamento na Europa em 2011 que este programa ficou sob a mira dos organismos europeus de proteção de dados, devido aos receios de violar a privacidade dos usuários.

jn