Militar da GNR detido pela PJ já está em prisão preventiva
"Disse-me que andava ameaçada pelo polícia".
Sentada à porta de casa, na rua do restaurante onde trabalha a mulher detida anteontem por suspeita de crimes de abuso sexual de menores em coautoria com um cabo da GNR de Idanha-a-Nova, esta moradora não tem dúvidas em defender a arguida.
" A rapariga já namorou um filho meu e sei é que boa pessoa", prosseguiu.
As detenções efetuadas pela Polícia Judiciária só confirmaram os boatos conhecidos na terra desde há dois meses.
As vítimas serão quatro e uma delas terá começado a ser abusada aos oito anos.
A acreditar neste depoimento, a arguida, de 30 anos, divorciada e mãe de um filho menor, repetiu no tribunal o que já dizia na rua.
Apesar da relação que manteria com o GNR não hesitou em confirmar as acusações, confirmando a sua participação.
Justificou que era obrigada a ir buscar as raparigas para sua casa, sob pena de ser agredida ou de ficar sem a guarda do seu filho.

Fonte: Jornal de Notícias