O terror começou assim que Fábio, de 39 anos, e a mulher encostaram o carro na berma da estrada à saída da ponte Marechal Carmona, em Vila Franca de Xira, anteontem à noite – para o condutor, paraplégico, trocar a algália que usa para urinar.



Um gang tentou invadir o Citroën C5 - e, quando Fábio acelerou para fugir, um tiro de caçadeira estilhaçou o vidro traseiro. Fábio foi atingido por pedaços de chumbo e vidro na cabeça e pescoço.

Com sangue a escorrer-lhe pela cabeça e a mulher em choque ao lado, a vítima, empresário do ramo automóvel, conseguiu conduzir até ao posto da GNR de Samora Correia. Os militares chamaram uma ambulância e o homem foi transportado para o hospital.

Tudo aconteceu pelas 22h00 de anteontem, quando o casal parou o carro, na Recta do Cabo. "Parámos para eu urinar numa zona onde estava escuro", contou ontem Fábio ao CM. "Eu nem desliguei o carro, quando a minha mulher sentiu que estavam a forçar a porta mesmo atrás dela".

"Antes de arrancar, só pensei que mais valia ter um acidente a fugir do que morrer ali", contou a vítima, poucas horas depois de ter recebido alta médica do Hospital de Vila Franca de Xira, onde recebeu assistência.

"Depois do disparo, senti o chumbo e os vidros a entrarem na cabeça e quando pus as mãos começou a jorrar sangue. A minha sorte foi ter-me encolhido quando acelerei e ter dito à minha mulher para que fizesse o mesmo, senão isto teria acabado numa tragédia", desabafou ontem Fábio.

O disparo destruiu por completo a janela traseira do lado direito e o vidro do condutor. E no interior do carro eram visíveis as manchas de sangue e os pequenos chumbos cravados no tejadilho do Citroën, o que espelha o terror vivido pelo casal.

cm