Acidente fez 37 mortos
Detidos seis tripulantes após acidente mortal em Hong Kong


As autoridades de Hong Kong detiveram nesta terça-feira seis tripulantes de duas embarcações de passageiros, que colidiram, matando 37 pessoas no maior acidente marítimo no território em décadas.

"A polícia deteve seis tripulantes (...) Eles estão a ser investigados por terem colocado em perigo a vida de pessoas no mar", disse o secretário da Segurança de Hong Kong, Lai Tung-kwok, em conferência de imprensa, um dia após a colisão.

Lai referiu que foram detidos três membros da tripulação da embarcação de recreio que naufragou, propriedade de um empresa local, e três tripulantes do 'ferry-boat' que assegura a carreira regular para a ilha de Lamma.

As vítimas mortais foram todas registadas na embarcação de recreio.

Andy Tsang Wai-hung, chefe da polícia de Hong Kong, disse que os suspeitos eram responsáveis pelas operações das embarcações. "Não descartamos mais detenções", acrescentou.

Leung Chun-ying, chefe do Executivo de Hong Kong, disse na mesma conferência de imprensa que o número de mortos da colisão tinha subido de 36 para 37, com mais de 100 feridos.

Mais de 120 passageiros e tripulantes estavam na embarcação da Companhia de Electricidade de Hong Kong - na maioria funcionários da empresa e familiares -- para assistir aos fogos-de-artifício que celebravam o dia da República popular da China, da qual Hong Kong é uma região administrativa especial.

Leung prometeu um inquérito de alto nível sobre o incidente, mas rejeitou sugestões de que iria prejudicar a reputação de Hong Kong como um centro de comércio marítimo mundial.

"Este é definitivamente um incidente isolado. O território marinho de Hong Kong é seguro", acrescentou.

O novo chefe do Executivo, cujo mandato começou debaixo de escândalos e de protestos contra políticas impopulares, ordenou três dias de luto, a começar na quinta-feira.

"Expressamos a nossa profunda preocupação com as vítimas e famílias", disse Leung.

Em 1971, o naufrágio de uma embarcação que fazia a ligação entre Hong Kong e Macau causou 88 mortos.

C. da Manha