A ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, rejeitou o recurso interposto pelo ex-inspector da Polícia Judiciária e ex-vice-presidente do Sporting, Paulo Pereira Cristóvão, para não ser sujeito a castigo disciplinar aplicado enquanto inspector da PJ.



A PJ não conseguiu , contudo, notificar pessoalmente Paulo Pereira Cristóvão da decisão da ministra, por ausência em parte incerta. O aviso foi ontem publicado em Diário da República.

O processo remonta a 2005, quando o então inspector Pereira Cristóvão esteve envolvido no caso de alegadas agressões a Leonor Cipriano, mãe de Joana, menina desaparecida no Algarve. Apesar da absolvição, em tribunal, de Cristóvão, o director nacional adjunto da PJ decidiu pela punição do inspector, com uma pena disciplinar de 120 dias de suspensão. Como Pereira Cristóvão saiu a seu pedido da PJ, em 2007, o castigo só será cumprido ca-so venha a ter novo "emprego público ou se aposente", refere o aviso.

O CM tentou, sem êxito, um contacto telefónico com Paulo Pereira Cristóvão. Recorde-se que Cristóvão é arguido no caso do árbitro José Cardinal, estando indiciado por cinco crimes, entre os quais peculato e branqueamento de capitais.

cm