O Ministério Público confirma o desaparecimento de boa parte dos documentos que estavam no Ministério da Defesa relativos à compra dos dois submarimos .

O "Jornal de Notícias" cita, esta manhã, o procurador João Ramos, do DCIAP, que - em despacho de 4 de junho - escreve que «apesar de todos os esforços e diligências levadas a cabo pela equipa de investigação, o certo é que grande parte dos elementos referentes ao concurso público de aquisição dos submarinos não se encontra arquivada nos serviços [da defesa], desconhecendo-se qual o destino dado à maioria da documentação».

O jornal acrescenta que desapareceram os documentos com os registos das posições assumidas pela antiga equipa ministerial de Paulo Portas, que foi quem negociou o negócio concretizado, em 2004, quando Durão Barroso era primeiro-ministro e Portas ministro de Estado e da Defesa nacional.

Nos últimos anos, já tinha sido noticiado o desaparecimento de vários documentos deste processo mas, agora, é o próprio Ministério Público a reconhecer o problema e a atribuir-lhe uma dimensão que vai para além dos casos pontuais já noticiados.



jn