Durante quatro anos, um menor foi abusado e obrigado a actos sexuais por um amigo da família, em Faro.



Os abusos, ao que o CM apurou, aconteceram repetidamente na casa da avó, onde a vítima vivia e o pedófilo tinha acesso. Depois da morte da familiar, o menor foi viver para a casa da mãe e do padrasto, e ganhou coragem para denunciar os abusos que sofria há vários anos.

O caso foi comunicado à Directoria do Sul da Polícia Judiciária (PJ), que entrou em campo e deteve de imediato o suspeito, de 55 anos, depois da recolha de várias provas que o implicam nos abusos reiterados à criança.

O pedófilo, ao que o CM apurou, trabalhava na área da restauração, em Faro, onde conheceu a avó do menor. Nos últimos anos, os actos sexuais começaram a ser mais graves, nomeadamente, com o suspeito a obrigar a vítima a sexo oral. O pedófilo está indiciado dos crimes de abuso sexual de criança e de acto sexual com adolescente, que tem actualmente 14 anos.

A vítima ainda chegou a queixar-se à avó, mas esta nunca acreditou que podia ser verdade, porque tinha muita confiança no abusador. Só depois da sua morte é que a criança conseguiu denunciar a situação à mãe, que acreditou e informou de imediato a PJ.

O detido foi presente, anteontem, à juíza de instrução criminal do Tribunal de Faro e foi colocado em prisão preventiva a aguardar o julgamento.

cm