Tem 25 anos, é empregado fabril e é descrito pelos amigos como um solitário, tímido e recatado. Por razões ainda não apuradas, o rapaz ‘pacato’ de Fafe matou a tiro uma prostituta, numa mata, para a roubar. Tudo indica que não levou uma quantia muito elevada, mas o seu silêncio e a morte da vítima deixam sem resposta algumas questões.



Preso anteontem pela Polícia Judiciária de Braga, desconhece-se a medida de coacção que lhe foi aplicada. Começou a ser ouvido pelas 18h30, mas o interrogatório ainda não tinha acabado à hora de fecho desta edição.

As circunstâncias do crime ainda não estão claras. No entanto, as autoridades apreenderam ao suspeito a mochila da vítima, bem como o seu telemóvel pessoal. Fabiana Pereira Teixeira, de 38 anos, tinha algum dinheiro quando ‘atendeu’ o cliente. Aquele terá ameaçado a mulher com uma pistola apontada à cabeça e as autoridades acreditam que Fabiana reagiu. O jovem poderá ter-se assustado e disparado. Levou os valores que ela tinha.

O crime deixou familiares e amigos em choque. Ninguém consegue explicar o que levou o suspeito a abordar a prostituta já armado. Não tem cadastro, não lhe é conhecido nenhum antecedente de violência. A arma que usou também não foi apreendida. O jovem recusa explicar o que aconteceu na noite de 11 de Setembro.

Recorde-se, ainda, que Fabiana Teixeira foi encontrada sem vida numa zona remota de mato na Zona Industrial da Cabeça de Porca, em Regadas, Fafe. Natural do Brasil, a mulher foi encontrada por algumas amigas numa poça de sangue. "Fui a segunda pessoa a ver a Fabiana morta. Estava deitada no chão e havia muito sangue à volta dela", relatou na altura ao CM uma amiga e colega da vítima que deu o alerta para o desaparecimento.

cm