As comunidades imigrantes são os clientes alvo da Lycamobile, operadora de telemóveis a preços baixos que iniciou o serviço em Portugal e que reivindica o título de maior operador móvel virtual da Europa.
Oferece tarifários pré-pagos para comunicações nacionais, mas a aposta principal é nas chamadas a baixo custo para as redes fixas e móveis no Brasil, Angola, Cabo Verde, Roménia ou Ucrânia.
Este tem sido o modelo de negócio aplicado noutros mercados pela Lycamobile, que afiança conquistar um cliente novo a cada quatro segundos.
Enquanto operador virtual, usa a rede de outros operadores, não tem lojas próprias nem oferece telemóveis, mas disponibiliza gratuitamente cartões SIM para aparelhos desbloqueados.
Os recarregamentos são normalmente feitos junto de pequenos comerciantes com quem a marca tem acordos, através da internet ou pelo serviço de apoio ao cliente.
Milind Kangle, presidente executivo do grupo, adiantou, citado num comunicado, estar consciente de que muitos dos clientes usarão o serviço "para telefonar a amigos e família no Brasil e em outros lugares do mundo".
O presidente do conselho de administração, Subaskaran Allirajah, considerou o lançamento em Portugal "um importante marco na história da Lycamobile" porque, continuou, "não apenas confirma o nosso estatuto de operador com a maior cobertura da população europeia, mas também nos permite fornecer chamadas internacionais de alta qualidade para as comunidade portuguesas nos países em que a Lycamobile já opera".
De origem cingalesa (Sri Lanka), Subaskaran Allirajah é o accionista maioritário da Lycamobile, a qual fundou com o indiano Milind Kangle, também accionista.
Autorizada pela Anacom, a entidade reguladora portuguesa, a 01 de Março deste ano, a Lycamobile só iniciou o serviço no mercado português no final de Setembro, usando a rede da Vodafone.
Portugal é o 14º país europeu onde está presente, depois do Reino Unido, Holanda, Bélgica, Dinamarca, Noruega, Suécia, Itália, Espanha, Austrália, França, Alemanha, Polónia e Irlanda.
No ano passado entrou na Austrália e o objectivo da operadora é estar presente em 25 países até ao final do ano, tendo anunciado para este mês o início do serviço no Canadá e Estados Unidos.
Globalmente, a Lycamobile reivindica 20 milhões de clientes, emprega quatro mil trabalhadores e espera atingir um volume de negócios de mil milhões de euros no final de 2012.
De acordo números publicados pelo Sunday Times em Setembro, as receitas no Reino Unido, onde está baseada, cresceram 247 por cento em três anos, de 2,8 milhões de libras (3,5 milhões de euros) em 2008 para 116,8 milhões de libras (145 milhões de euros) em 2011.
Neste país, onde está baseada, além de comunicações móveis e de rede fixa, oferece também cartões de pagamento pré-pagos.

Fonte: Lusa/SOL