A al-Qaeda terá estado associada à vaga de fogos florestais que nos últimos meses assolou vários países da Europa, incluindo Portugal.



"Deflagrar incêndios em florestas nos países da UE é uma nova tendência na estratégia da al-Qaeda", declarou o director do Serviço de Segurança Federal da Rússia, Alexander Bortnikov, num recente encontro de responsáveis das agências de segurança. "Este método permite infligir significativos danos económicos e morais sem grande preparação, equipamento ou despesas de vulto", acrescentou.

Além de Portugal, onde a área ardida este ano foi de mais de 110 mil hectares, também Espanha, Itália, Grécia e Croácia foram dos países mais afectados. Houve várias mortes a lamentar e milhares de evacuações. Em Maio, a al-Qaeda apelara a seguidores para deflagrarem fogos florestais nos EUA. n *com agências

cm