Quando a barra de madeira o atingiu violentamente na nuca, Euclides, de 23 anos, gritou e caiu inanimado. Foi atacado várias vezes e a poucos metros de casa, na rua Rainha Santa Isabel, no Cacém, na madrugada de ontem. Envolto numa poça de sangue, o jovem morreu no local – porque fizera um comentário sobre a namorada do homicida, que corria pela rua com o vestido levantado.



O autor do crime, Humberto, 30 anos, confessou tudo e foi detido no local.

Pouco passava das 03h00 quando o crime ocorreu. "A namorada do outro rapaz devia estar alco-olizada, andava a correr pela rua com o vestido levantado. O Euclides passou e deve ter feito um comentário menos próprio. Ainda o ouvi gritar por mim e quando olhei vi o outro a dar-lhe com a barra na cabeça e o Euclides a cair. Corri até lá, mas quando cheguei só vi sangue. A cabeça dele ficou desfeita com as pancadas", contou ontem ao CM Ivandro Cardoso, amigo da vítima, que testemunhou o crime.

A família do homicida conta uma versão diferente. "Ele é um homem atinado, empresário, e nunca se meteu em confusões. O falecido veio-se meter com a namorada dele. O Humberto disse que foi ameaçado, que o outro lhe encostou alguma coisa às costas. Tentou evitar a confusão, mas quando foi ameaçado, protegeu-se. Só lhe deu uma pancada. E estragou a vida", disse um familiar. Os moradores ouviram gritos e chamaram os bombeiros e a PSP. Humberto entregou-se e ficou detido pela Polícia Judiciária de Lisboa.

cm