"O corpo esteve mais de 14 horas para ser retirado da casa porque a delegada de saúde não quis cá vir. É uma situação inadmissível!", afirmou Paula Martins, vizinha de Manuel Fontes, de 78 anos, que foi encontrado morto em casa, anteontem, por voltas das 21h00, na rua Domingo Soares, em São Mamede de Infesta, Matosinhos.



O cadáver apenas foi removido por volta do meio--dia de ontem, uma vez que a delegada de saúde não se deslocou ao local durante a noite para confirmar o óbito. A PSP teve de passar a noite e manhã de ontem a guardar o corpo do idoso.

"A PSP ligou à delegada de saúde de Matosinhos e ela disse que não podia deslocar-se ao local e depois desligou o telemóvel. Ainda tentaram ligar à delegada de saúde do Porto, mas ela disse que não era a área dela. A filha dele esteve cá, mas também não quis reconhecer o corpo", contou Paula Martins, muito revoltada. "Não se trata assim um ser humano", repetia a vizinha do idoso, cujo corpo - encontrado deitado na cama - só foi removido após a delegada de saúde de Matosinhos ter comparecido, ontem de manhã. O idoso já não era visto desde segunda-feira. "Ele costumava deixar sempre um papel na porta quando se ausentava", relatou a vizinha Dora Coelho, que alertou a PSP. "Reparei que o tapete da casa dele estava da mesma forma que a empregada da limpeza do prédio o deixou, terça-feira. Então chamei a polícia", contou. Hoje o cadáver é autopsiado.

O CM tentou, sem sucesso, falar com a delegada de saúde.

cm