A Tecnoforma, uma empresa de que o primeiro-ministro foi administrador até Agosto deste ano, foi a grande beneficiada por uma linha de crédito da responsabilidade de Miguel Relvas entre os anos de 2002 e 2004.



A notícia, avançada pela edição on-line do ‘Público’, dá conta de que Passos Coelho foi consultor da Tecnoforma a partir de 2003, que depois administrou entre 2005 e 2007, estando em vigor, até 29 de Agosto de 2012, uma procuração que lhe dava poderes de administração. Confrontado, o governante garante que pediu a revogação do documento à empresa, considerando um "absurdo" que tal não tenha acontecido. "Absurdo" é também como classifica a ideia de que a Tecnoforma tenha sido favorecida na atribuição de fundos do programa Foral, gerido por Relvas, à data secretário de Estado da Administração Local. Isto apesar de 82% das candidaturas aprovadas em 2003 para empresas na região Centro pertencerem à empresa em que Passos Coelho trabalhava.

cm