José Piedade desapareceu quando a excursão em que viajava, no regresso de Marrocos, parou no Algarve. Cadáver não apresentava sinais de morte violenta



José Piedade, 78 anos, residente em Sobral de Monte Agraço, costumava participar em excursões. Anteontem ao fim do dia, regressava de uma viagem a Marrocos. O grupo parou em Faro para uma visita à cidade. Mas, quando o autocarro se preparava para arrancar, o idoso tinha desaparecido. Foi encontrado, ontem de manhã, já cadáver, a boiar na Ria Formosa, junto à Capitania de Faro. A Polícia Judiciária está a investigar o caso.

"Ele era mais saudável que qualquer um de nós", referiu ao CM um neto da vítima, que mal soube do desaparecimento rumou ao Algarve e passou a noite à procura do avô, pela cidade de Faro, sem sucesso. "Hoje de manhã [ontem] soube que tinham encontrado um corpo na água, vim logo ver e reconheci-o", acrescentou o neto, que pediu anonimato.

O cadáver foi encontrado por volta das 08h00, pelo arrais da embarcação que faz a ligação entre terra e os barcos estacionados na ria. Estava de barriga para baixo e "aparentava já estar na água há várias horas", adiantou Marques Ferreira, comandante da Capitania de Faro.

Depois de, inicialmente, a Polícia Marítima tomar conta da situação, a Judiciária foi chamada para efectuar peritagens. Com base nos primeiros indícios, não existem sinais de morte violenta, mas, ontem, a PJ escusou-se a avançar se o óbito se deveu a acidente ou crime. "Ainda é cedo para se ter uma conclusão", explicaram.

O corpo deverá agora ser submetido a autópsia no Instituto de Medicina Legal.

cm