No pára-brisas estilhaçado do carro ficou um recado: “Vai-se acabar o tacho, filho da p...”



O carro do adjunto do presidente da câmara de Barcelos para os assuntos da juventude foi atingido, na madrugada de ontem, por dois tiros de caçadeira. O Seat cinzento de Vasco Real, que é o responsável pela Casa da Juventude da autarquia barcelense, estava estacionado à porta de casa da vítima, na rua Cândido Cunha, no centro da cidade, quando, por volta das 02h00, foi alvejado por dois disparos, que acordaram boa parte dos residentes.

"Ouvi dois tiros, mas quando vim à janela não vi ninguém. Depois é que soube que tinham partido o vidro de um carro", disse ao CM o morador Albino Silva, que afirmou não conhecer o dono da viatura atingida.

Além do pára-brisas estilhaçado, os autores dos tiros de caçadeira deixaram um bilhete no limpa-vidros, a dizer: "Vai-se acabar o tacho, filho da p..."

Vasco Real, que é sobrinho do presidente da câmara de Barcelos, Miguel Costa Gomes, não quis ontem falar sobre o assunto, mas não esconde o medo que sente, nesta altura, assim como a sua mãe, com quem reside.

Esta não é a primeira vez que Vasco Real, de 33 anos, é alvo de acções intimidatórias. No passado mês de Dezembro foi agredido por dois desconhecidos, a soco e com um copo na cabeça, numa discoteca da cidade.

"Isto está a tomar proporções muito preocupantes. Nem parece que vivemos num Estado de Direito", disse ontem ao CM um amigo de Vasco Real.

O CM tentou ouvir o presidente da câmara de Barcelos sobre a ameaça de que o seu adjunto e sobrinho foi alvo, mas o autarca comunicou que não se pronunciará por se tratar de matéria que está em segredo de justiça.

O bilhete ameaçador deixado no pára-brisas foi entretanto recolhido pela Polícia Judiciária de Braga, que ontem de manhã fez exames periciais à viatura.

cm