Falhas no código de segurança que conecta o telemóvel às redes 3G pode permitir que qualquer pessoa faça o rastreio do aparelho, de acordo com um estudo da Universidade de Birmingham, no Reino Unido, e Universidade Técnica de Berlim, na Alemanha.


As falhas, publicadas na revista "SC Magazine", envolve ataques usando um celular modificado para aceder à rede e trocar dados reais por falsos, permitindo enganar o usuário e, desse modo, identificar a localização de um aparelho em particular. Com isso, o hacker pode forçar o telemóvel a revelar códigos usados pelas operadoras para as ligações telefónicas e envio e recebimento de dados pela rede 3G.


Outro exemplo é que é possível descobrir um número válido de autenticação do aparelho-alvo, pedir o envio deste código pelo aparelho e mandar o mesmo pedido para outros telemóveis próximos, fazendo com que todos os outros aparelhos mandem uma resposta para o hacker - menos o celular-alvo - permitindo saber sua exacta localização. Tudo isso é feito sem o usuário perceber.


O estudo diz que estas medidas podem fazer com que o dono do aparelho tenha seus movimentos rastreados dentro de um prédio ou shopping, por exemplo.
Entretanto, um ataque como este exige que o hacker esteja próximo da vítima.


Os pesquisadores dizem ter enviado os resultados do estudo para reguladores das redes 3G internacionais há 6 meses, mas as falhas ainda não foram corrigidas.