Fábio e Diana, ambos com 23 anos, premeditaram o crime. A morte de Jorge Anastácio, de 26 anos, que tinha um filho de quatro anos com Diana e que foi assassinado na madrugada de terça-feira em Ílhavo, foi decidida pelo menos há uma semana. A Polícia Judiciária de Aveiro já recolheu provas de que foi nessa altura que o casal comprou luvas cirúrgicas para evitar que ficassem vestígios biológicos na casa da vítima. Ontem, todos os elementos recolhidos contra o casal determinaram a aplicação da prisão preventiva pelo juiz de instrução.



Os contornos do crime – agora conhecidos – revelam ainda outros pormenores que apontam para a premeditação. Diana e Fábio já foram a casa de Jorge com a intenção de o matar. Além das luvas levaram também uma faca de cozinha de grandes dimensões. Atacaram-no mal ele abriu a porta e como o apanharam de surpresa Jorge não conseguiu reagir.

A violência foi muito grande. Mais de uma dezena de facadas desferidas de forma desordenada, o que acabou por "sujar" a roupa dos homicidas. Depois de arrastarem o corpo de Jorge até ao sofá e de remexerem a casa para dar a ideia de que teria sido um assalto, o casal foi para a Gafanha da Encarnação, onde agora morava, e aí enterraram o vestuário "contaminado". Numa grande cova cuidadosamente tapada com terra deixaram a faca ainda com sangue.

Diana foi depois à GNR para dar conta de que encontrara Jorge morto em casa. O que Fábio não sabia é que nessa altura a jovem já pretendia traí-lo. Contou que suspeitava de Fábio, que aquele estava apaixonado por ela, e que matou Jorge por ciúmes.

Abordado à porta de casa, o jovem disse onde estava a faca e a roupa e acusou Diana. As provas que foram depois recolhidas pela PJ foram determinantes.

cm