A jovem de 16 anos que apresentou queixa na PSP de Almada por ter sido vítima de sequestro admitiu ter inventado os factos para justificar aos pais a ausência de casa, informou hoje a Polícia Judiciária (PJ).
«Após diversas diligências de reconstituição da situação denunciada, acabaria por admitir ter inventado todos os factos denunciados, pois precisara de apresentar aos pais e restantes familiares uma justificação consistente para a ausência prolongada da residência», refere a PJ em comunicado.
Em Setembro, a jovem de 16 anos apresentou queixa na PSP, declarando ter sido abordada na estação de metro do Pragal por dois homens que a teriam levado violentamente para um automóvel.
Depois, teriam conduzido a viatura até uma mata, obrigando-a a ingerir uma bebida, supostamente água, para a fazer adormecer.
«Segundo o reportado, apenas terá acordado no dia seguinte, tendo sido novamente transportada para o local onde havia sido sequestrada, afirmando desconhecer se havia sido sexualmente violentada e saber apenas que os autores do sequestro lhe tinham subtraído 20 euros que possuía», esclarece a nota.
A jovem apresentou queixa e chegou mesmo a efectuar reconhecimentos fotográficos, indicando um presumível suspeito, mas, no âmbito das averiguações da PJ, os factos denunciados apresentavam «incoerências e imprecisões», o que levantou a suspeita de ter havido simulação do crime.

Fonte: Lusa/SOL