Assim que foi aberto o caixão de Jorge Silva – assassinado à facada pela namorada e pelo amante dela, na terça-feira – no cemitério de Ílhavo, sucederam-se gritos de dor e de desespero. A família e os amigos não aguentaram o sofrimento ao ver, ontem, o rosto do jovem de 26 anos, repleto de marcas da violenta agressão. Os homicidas, ambos de 23 anos, estão já na prisão.



"Meu menino, eles bateram--te tanto. Não merecias morte tão cruel. Olha agora no Céu pelo teu anjinho que ficou sem pai", gritava Laura, tia do jovem, que chegou a desmaiar.

Os pais de Jorge Silva, que tinha um filho de quatro anos, eram o espelho da dor. Lavados em lágrimas, aproximaram-se uma última vez do caixão do jovem e disseram-lhe adeus. "Não acredito que não te vou ver mais, meu filho", lamentava Joaquim Silva, pai de Jorge.

A despedida ao jovem contou com centenas de pessoas, a maioria envergando camisolas brancas em homenagem à vítima. Todos lamentavam a forma bárbara como o jovem foi assassinado e, ainda no cemitério, pediam que fosse feita justiça.

Jorge Silva foi assassinado pela namorada Diana Patrocínio e pelo amante de Diana, Fábio Leite. O casal tocou à campainha da residência de Jorge, já de madrugada, e atacou-o com várias facadas. Depois, ambos remexeram toda a casa, de forma que simulassem um assalto.

Diana foi, de seguida, à GNR e denunciou Fábio, mas as autoridades perceberam imediatamente que também estava envolvida no brutal homicídio.

cm