Os funcionários da escola Secundária Doutora Laura Ayres, em Quarteira, Loulé, não ganharam para o susto. Anteontem, ao final da tarde, uma bomba artesanal foi atirada para as traseiras das instalações, estilhaçando-se no chão. Valeu a hora tardia, pois poucas pessoas se encontravam na Escola.



Segundo fonte do Comando da GNR da região, que tomou conta da ocorrência, o responsável pelo incidente terá sido "um ex-aluno, de 17 anos". A mesma fonte da Guarda acrescentou que "o jovem já está identificado e referenciado pelas autoridades, embora ainda não tenha sido constituído arguido". Ao que o CM apurou, para confeccionar o engenho explosivo caseiro, o jovem utilizou componentes como ácido muriático e carvão, misturados numa garrafa de plástico vulgar.

Testemunhas que acorreram ao local, após ouvirem um "enorme estrondo", garantem que, "se a garrafa embatesse numa parede, seria suficiente para abrir um buraco, e se atingisse alguém, provocaria certamente queimaduras com alguma gravidade". Vários funcionários da Escola Secundária de Quarteira confirmaram a explosão da bomba artesanal, mas desvalorizam o facto. "Foi uma brincadeira de extremo mau gosto", limitaram-se a classificar, sem adiantar os eventuais motivos que terão levado ao ataque pelo ex-aluno.

Contactada pelo CM, a Direcção da Escola recusou-se a prestar qualquer declaração ou esclarecimento sobre o caso.

cm