Mais de 3.500 pessoas já garantiram, no Facebook, que vão participar na concentração que se inicia às 18h00 junto à Assembleia da República, em Lisboa, para dizerem que este não é o seu Orçamento de Estado.
Este ‘Cerco a S.Bento!Este não é o nosso Orçamento’ serve, segundo os organizadores, para contestar as contas do Estado para o próximo ano e pedir a demissão do Governo.
No sábado, em conferência de imprensa, os movimentos 15 de Outubro e Sem Emprego explicaram os recados que vão ser transmitidos no dia em que o Orçamento de Estado é entregue.
«Chega de dinheiro para o BPN (Banco Português de Negócios). Chega de dinheiro para as Parcerias Público Privadas. Chega de escândalos para os submarinos e o dinheiro tem de ser canalizado para o povo», resumiu Alexandra Martins, do movimento 15 de Outubro.
Pelo Movimento Sem Emprego, Ana Rajado garantiu que o Governo está a ficar «cada vez mais fragilizado» e que a contestação quer «agudizar» essa situação para que o «Governo caia porque a situação não ficará pior».
A concentração ‘Cerco a S.Bento! Este não é o nosso Orçamento’ segue-se a uma vigília do movimento dos indignados, que começou às 00h00.
Há um ano houve jornada mundial contra as desigualdades políticas e financeiras e o Parlamento português foi o destino de uma manifestação que juntou cerca de 100 mil pessoas, segundo os promotores declararam na altura.
Paula Gil afirmou que o número de participantes no desfile entre o Marquês de Pombal e a Assembleia da República tinha sido estimado por sindicalistas que costumam organizar e promover manifestações.
Em Portugal, dez cidades (Angra do Heroísmo, Barcelos, Braga, Coimbra, Faro, Funchal, Lisboa, Porto, Santarém e Évora) aderiram ao protesto.
O 15 de Outubro de 2011 ficou marcado pelos 70 feridos na manifestação dos indignados em Roma, mas de Sidnei a Seul, de Lisboa a Nova Iorque, quase mil cidades de 82 países foram palco de manifestações de carácter pacífico.

Fonte: Lusa/SOL