Ángel Carromero, membro das Novas Gerações do Partido Popular espanhol, foi hoje condenado a quatro anos de prisão em Cuba, onde em Julho foi protagonista de um acidente rodoviário que vitimou mortalmente o dissidente cubano Oswaldo Payá.
Carromero acabou por ser condenado por homicídio involuntário, crime para o qual as autoridades cubanas exigiam uma pena de sete anos de prisão.
O Governo de Madrid confia que apesar da condenação, o espanhol de 27 anos será extraditado para o seu país Natal ao abrigo de um acordo entre os dois países.
Carromero, que no julgamento realizado a 5 de Outubro afirmou lamentar «profundamente» o sucedido, defendeu-se com as condições da estrada e com a falta de sinalização para explicar o despiste que levou o carro alugado a embater numa árvore, matando os dois ocupantes da parte traseira do veículo – Oswaldo Payá e o líder do grupo opositor Movimento Cristão de Libertação, Harold Cepero.
O acidente de 22 de Julho envolveu ainda o norueguês Jens Aron Modig, também ele membro da juventude partidária do partido democrata-cristão. Modig foi autorizado a regressar a casa depois de admitir que estava em Cuba para ajudar a financiar a oposição.
A acusação a Carromero partiu do próprio Ministério Público cubano, pois as famílias das vítimas contestam a versão oficial do acidente e já garantiram que não consideram o espanhol o verdadeiro culpado pelas mortes dos dissidentes.

Fonte: SOL